Negocios

Gacetillas de Prensa | Adão e Eva no país do cinema

Subscrever Por certo um dos filmes mais admiráveis que o cinema português gerou nos últimos anos, Campo de Sangue é um jogo de espelhos sobre a própria arte de procurar a verdade do mundo através do artifício da ficção. Ou ainda: o rigoroso contrário dos empreendimentos que se refugiam na “importância” ou na “gravidade” dos seus “temas”, reduzindo o cinema à mais banal retórica televisiva. O que aqui mais conta é o filme como acontecimento. De que falamos quando falamos de acontecimento? Desse poder ancestral de o ecrã devolver ao espectador a sua própria condição de explorador da estranheza do mundo. Com uma alegria que nos faz bem

[email protected]

Eis um fenómeno raro no cinema português: um filme que sabe dar aos seus intérpretes o espaço e o tempo necessários para que cada personagem se instale na nossa visão – e no nosso pensamento – como um ser singular, impossível de reduzir a qualquer modelo previsível ou apaziguador. Carloto Cotta é mesmo a presença de um nome ausente, um “Ele” que João Mário Grilo filma como um Adão sem Eva, perdido no espetáculo de uma solidão suavemente literária

Relacionados cinema.  “Só é possível compreender a verdade do homem a partir da verdade das mulheres”

Observem-se as quatro mulheres de Campo de Sangue : Sara Carinhas, a “rapariga bonita”, já como tal identificada no romance de Dulce Maria Cardoso, dir-se-ia quase invisível, assombrada pelo seu peso dramático; Teresa Madruga, a senhoria que podia ter saído de uma comédia dos anos 40 do século passado, ainda que, por uma espécie de pudor, resistindo ao seu potencial cómico; Fernanda Neves, a mãe ideal de qualquer conto moral sobre os poderes do feminino, perdida na própria perdição do tempo, quase patética, mas, por fim, grandiosa; enfim, Suzana Borges, com o nome redentor de Eva, por certo confirmando a mitologia bíblica, ao mesmo tempo decompondo-a através de uma pose “neutra”, tecida de elegância – o “neutro”, como dizia Roland Barthes, é justamente aquilo que desafia o paradigma, no limite denunciando o estereótipo (aqui o estereótipo novelesco que todas estas personagens evocam para melhor o queimarem no fogo da ficção)

Enfim, como n” Os Três Mosqueteiros , há mais uma personagem que confirma e relativiza a perfeição do conjunto: as quatro mulheres nucleares do filme são, de facto, cinco, já que não nos podemos esquecer de Dulce, a escritora transformada em personagem que “Ele” visita. Luísa Cruz compõe-na num torpor que resiste a ser decifrado, bastando-lhe o discreto esplendor de estar ali (dentro do filme, entenda-se) – é, afinal, uma duplicação cinéfila da pose cool que João Mário Grilo reconhece na autora do romance inspirador, Dulce Maria Cardoso

Fechar Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão.

Subscrever Por certo um dos filmes mais admiráveis que o cinema português gerou nos últimos anos, Campo de Sangue é um jogo de espelhos sobre a própria arte de procurar a verdade do mundo através do artifício da ficção. Ou ainda: o rigoroso contrário dos empreendimentos que se refugiam na “importância” ou na “gravidade” dos seus “temas”, reduzindo o cinema à mais banal retórica televisiva. O que aqui mais conta é o filme como acontecimento. De que falamos quando falamos de acontecimento? Desse poder ancestral de o ecrã devolver ao espectador a sua própria condição de explorador da estranheza do mundo. Com uma alegria que nos faz bem

[email protected]